Follow by Email

domingo, 23 de dezembro de 2012

PESSOAS DESPREZÍVEIS



Prof. Amilcar Bernardi



É de uso comum a afirmação que estamos no mundo da informação. Tudo é comunicação de idéias. O mundo não é algo tátil, mas algo comunicado, significado. Chego a dizer que só existe aquilo que pode ser significado, que pode ser informado de alguma forma. É possível a seguinte máxima: ser é ser expressado, significado.
Tanto é verdade que sem sairmos de casa conhecemos e valoramos outros países e culturas (damos significado ao que não conhecemos). Em frente a nosso computador viajamos por galáxias e sonhamos com vida em outros planetas. Nos sites de relacionamento conhecemos pessoas, tornamo-nos amigos e, não raro, nos apaixonamos e casamos. Conhecemos coisas e pessoas através de sons, imagens e contatos físicos falados... se for possível tal contato, pois não é necessário.
Antes de trabalharmos em uma empresa, ela quer saber do nosso conhecimento. Lê nosso currículo, avalia testes e entrevistas com psicólogos. Quer a informação sobre nossa pessoa para aferir a quantidade e qualidade de informações/conhecimentos que temos a oferecer à empresa. Caso essa avaliação seja negativa, somos impedidos como pessoa de pertencer ao quadro funcional da instituição. Na nossa vida pessoal, quando amamos alguém, a amamos porque o que ela sabe/pensa/conhece é agradável para nós. Então a aceitamos como pessoa amada. Não a amamos pelo corpo ou pela beleza.... é muito pouco! Afinal, amamos o que a pessoa significa (informação) para nós.
Na Grécia clássica ser escravo era não ter voz. Aquele que era escravo não era ouvido, não tinha como expressar-se. Não informava, logo, não era ninguém, não podia ser avaliado. Imagina hoje! Quem não pode ser informação, nada é... ou é pior que um escravo grego!
Penso que o pior que podemos fazer na atualidade é tornar uma pessoa desprezível (de desprezar, menosprezar). Melhor dizendo, tornar o que a pessoa sabe uma informação sem valor cognitivo. Esquecendo deliberadamente que toda a informação é importante. Cruelmente é possível menosprezar o que uma pessoa informa, podemos diminuir o que alguém sabe e diz... isso a ponto de tornar a pessoa uma persona menos, desprezível, não audível! Algo como nos tornarmos surdos para quem fala o que desprezamos. É uma tentativa de tornarmos a pessoa algo sem significado! Isso é horrível. Ainda mais numa sociedade da informação!
Fico pensando sobre o aluno que “não aprendeu”. Os instrumentos avaliativos afirmam que o aprendiz não tem nada a informar sobre os conteúdos trabalhados, ou que o que ele tem a informar é desprezível. E quando o aluno avaliado desfavoravelmente demonstra sua insatisfação, a sua expressão pessoa(al) é desprezada. O que quer comunicar (ele mesmo é uma informação) não é ouvido... são informações tornadas ignóbeis pela autoridade. Fico refletindo... a avaliação mal sucedida é apenas o desprezo dos infinitos saberes que o aprendiz tem? E a avaliação “nota dez”? Seria apenas a supervalorização de alguns saberes sobre outros? Portanto, o “dez” é 100% a exclusão dos saberes ignóbeis (tornado ignóbeis)?
Evidente que não tenho respostas. Porém tenho uma convicção: não podemos tornar conhecimentos pessoais desprezíveis ou de segunda classe. Se assim o fizermos, pessoas serão menos, serão desprezadas e não ouvidas. Toda a pessoa tem informações, toda a pessoa sabe (sabe algo). Ninguém tem o direito de tornar desprezível alguém porque informa o que não quer ouvir em algum contexto. Sei que o contexto escolar exclui muitas informações/saberes/pessoas. E isso não é bom.

(imagem da internet)

sábado, 10 de novembro de 2012

A escola do futuro tem que ser justificada eticamente


Prof. Amilcar Bernardi
 

As forças sociais que produzem uma guerra, por exemplo, só são explicadas eficientemente após a guerra. Antes dos eventos tais forças são inexplicáveis e imprevisíveis.  Se fosse possível plenamente entendê-las antes, grandes impérios talvez não ruíssem. Creio que o antagonismo indivíduo (egoísmo) X Coletividade (altruísmo) é o que move as pessoas, as sociedades. Quanto mais o indivíduo tem esperança que a vida em sociedade é melhor que o individualismo, mais dócil ele será aos limites que a ele é imposto pelos demais. Se a desesperança cresce, decresce a civilidade. Esse antagonismo e essa esperança criam colisões e coesões entre si imprevisíveis. São forças tão colossais que tornam impossível a exata previsão do futuro das relações humanas. Imprevisibilidade, já mencionada no início do parágrafo, semelhante ao que acontece nas grandes guerras e quedas de impérios.

Quando vejo intelectuais prevendo com certeza a escola do futuro olhando para trás, ou olhando o que está passando pelos seus olhos agora, sorrio incrédulo. Isso me faz lembrar a recente comprovação da partícula de Bóson (Partícula elementar que representa a chave para explicar a origem da massa das outras partículas elementares.). Partícula que abre um mundo tão amplo para a ciência, que não é possível prever as consequências dessa comprovação. Faço uma relação com a escola. Uma instituição criada ontem (sob o ponto de vista da história da humanidade) e já tem milhares de teóricos predizendo seu destino! Como se o futuro da escola fosse algo menos complexo que a previsão do que acontecerá após a confirmação da existência da partícula de Bóson!

Respeitando a complexidade dessa instituição, a escola, digo que estamos num vácuo ético em relação ao futuro dela. Já foi dito muito sobre o que a escola não deve ser observando sua história. Já foi dito muito sobre o que a escola deve ser, aí sem olhar sua história, buscando uma utopia que não se encaixa na nossa sociedade. Uma sociedade que muda impelida pela ciência, que muda impelida pela tecnologia, que avança vencendo barreiras culturais e que ao mesmo tempo quer ser bairrista, quer validar sua cultura em detrimento das outras, que quer lucro sem se importar com o país vizinho. Onde o ideal de escola se encaixa nisso? Sinto dizer: não se encaixa ou quando se encaixa, temos vergonha dos resultados desse encaixe. Digo vergonha porque a instituição de ensino encaixada, forma inúmeros profissionais mesquinhos, egoístas, que vivem com valores antissociais até. Igual a sociedade que a sustenta.

O vácuo ético se apresenta quando queremos ver a escola do futuro como uma escola que moralmente seja justificável. Então surgem as questões: Por quais valores queremos que a escola do futuro se paute? Ou não queremos saber disso? Escola para quê? Para quem? Uma escola regida sob o ponto de vista do capitalismo poderá um dia ser justa? Um lugar onde se aprende pelo amor ao aprender é possível num ambiente competitivo e de poucos empregos? É possível o amor ao próximo num ambiente de ensino excludente, onde, na melhor das hipóteses, vence quem sabe mais ficando para trás quem sabe menos? É possível uma escola num ambiente de desesperança na própria permanência do homem na terra? Teremos a coragem (e honestidade) de dizer que queremos sim uma escola excludente que prepare nossos filhos (e não o dos outros) para o sucesso? Teremos a força moral de afirmar uma escola no futuro que prepare uns para bons empregos, outros para empregos ruins e outros tantos para o desemprego? Criticar é fácil, desestimular os educadores é fácil, justificar o futuro escolar moralmente é difícil e para poucos.

O vácuo está aí no futuro ético da escola, tanto quanto na incerteza do que faremos com a confirmação da partícula de Bóson. Não sabemos o que fazer eticamente porque não damos conta moralmente nem da escola que temos hoje. Não sabemos dizer claramente o que queremos dela. Num futuro incerto onde não sabemos o que vai acontecer, pois tudo muda, alguns intelectuais querem colocar (prever) uma escola fora de contexto. Na verdade sempre estaremos fora de contexto quando falamos de futuro, pois não há como prever o que acontecerá moralmente.  Alguns pensadores querem explicar uma futura derrocada da educação antes que tal derrocada aconteça. Nada aprenderam com a história do mundo, uma história que explica os fatos somente após acontecerem. Não temos que explicar uma escola que ainda não nasceu. Temos que afirmar corajosamente (e fora do contexto futuro) como a queremos, que valores queremos que a norteie e lutar por isso.  Será como um filho. Uma criança sempre é imprevisível e inexplicável. Porém, os pais amorosos e esperançosos antes de tudo, que não tiverem elencado valores plausíveis que o formarão, com certeza, terão um grande problema nas mãos. Projetar moralmente e responsavelmente um filho, mesmo que tudo dê errado, deixa os pais com a consciência tranquila. Isso porque tudo tentaram e projetaram moralmente na esperança de um adulto eticamente melhor. Façamos isso com as escolas do futuro.
 
 
 
 

 

 

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

As escolas devem dizer o que querem e o que são claramente.


Prof. Amilcar Bernardi 

Prevejo que logo, muito logo mesmo, a escola será a única instituição a estimular o pensar ético. Afinal, as religiões estão sendo minimizadas, excluídas dos espaços públicos. As famílias cada vez mais não dão conta delas mesmas nos conflitos morais que as consomem. Os partidos políticos estão agindo em proveito próprio. Os cidadãos mais antigos, os avós, que antes falavam para seus netos do certo e do errado moral, hoje ainda trabalham para sustentarem-se e, não raro, sustentarem seus filhos adultos. Então a educação escolar está assumindo o papel de ensinar as crianças a pensar nos outros e num futuro moralmente bom para todos. É visível que a sociedade cada vez mais esta abandonando os espaços cedidos para que o certo e o errado sejam contados para as crianças e, por outro lado, entregam aos professores a formação moral e cidadã das crianças.

A escola pública não tem partido político, nem segue religiões. Seus professores devem respeitar as diferenças e a pluralidade cultural. Não devem posicionarem-se cada vez mais  em questões de escolhas subjetivas. Afinal, a escola pública tem que aceitar igualmente todos os posicionamentos que não firam a lei. Convém salientar que ensinar as ciências e as letras não é suficiente para educarmos moralmente. Como então educar nesse sentido as crianças e jovens iniciando suas consciências na reflexão ética? Como trabalhar o certo e o errado moral num espaço onde se deve evitar tal discussão?  Como posicionar-se enquanto educador, se sempre a posição adotada vai afrontar alguma outra que tem igual permissão política de conviver? E se todas as posições são cabíveis, como o educador poderá ensinar/ensaiar a escolha moral? Como posicionar-se como modelo moral se a visibilidade da escolha do educador está prejudicada por um ideal estatal/social de tudo ser aceitável, desde que seja legal?  É bem mais fácil no ambiente escolar público evitar inúmeros posicionamentos, notadamente os polêmicos. Por consequência, o espaço da escola pública é preferivelmente a opinião incontroversa ou cientificamente confirmada? Se a resposta for afirmativa, quanto empobrecimento da reflexão sobre o moralmente controverso! A escola pública já não pode sonhar em ser a ágora grega.

Apesar das dificuldades apontadas nos parágrafos anteriores, há a necessidade da experiência da discussão moral (e posteriormente ética) sobre o mundo. Não uma discussão cidadã/política apenas, mas refiro-me a discussão sobre o certo e o errado moral. Toda criança e jovem precisam dessa experiência. Penso que as escolas confessionais tornaram-se a melhor opção para tal discussão. Afirmo isso porque estas escolas têm bastante definidas suas opções. Exercendo a liberdade de escolha, os responsáveis pela educação moral da criança e do jovem, poderão optar por esta ou aquela escola confessional. Isso sem dúvida sobre o que acredita a instituição escolhida. A criança e o jovem poderão adultecer dentro de um espaço pedagógico anteriormente conhecido.

As escolas confessionais, ou qualquer outra escola não religiosa que se permita dizer o que professa de forma clara e inequívoca, tem a vantagem de ser criticada, amada ou excluída pelo que é, pela sua coerência moral. Penso que melhor é pertencer a uma escola religiosa que respeita minhas críticas (respeitosas também) do que pertencer a instituições que tenham dificuldade de dizer quem são além do pensar científico, cidadão e político. Prefiro um lugar que diga antes de eu entrar que é a favor ou contra o aborto (por exemplo). Pior para a formação das consciências é deixá-las em lugares ambíguos onde tanto faz ser a favor ou contra, “antes pelo contrário”.
 

sábado, 13 de outubro de 2012

As normas disciplinares e a moral escolar

Prof. amilcar Bernardi 
Tradicionalmente o certo e o errado dentro das instituições escolares são vistos como nas antigas cidades gregas.  Nelas, os cidadãos pensavam as necessidades de suas cidades, e não refletiam sobre as outras ou sobre o reflexo de suas escolhas sobre a natureza. O cidadão era aquele que vivia e pensava na sua cidade. Hoje quando há conflito no colégio, o contexto também não é levado em consideração.
É uma miopia pensarmos apenas numa moral escolar interna. Isso não é possível. Expulsar um aluno, similar ao o ostracismo grego, pode ser uma ação boa para a unidade escolar e má para o contexto social. Por outro lado, criticar as escolas ou dar atribuições que não são exequíveis para ela, pode parecer ser bom para a sociedade, mas é péssimo para os colégios. Na relação sociedade/ escola, com certeza o que é ruim para um é ruim para ambos!
As questões disciplinares não podem ser vistas como algo que diga apenas respeito aos sistemas de ensino. Diz respeito a todos. Cada pai que, quando em conflito com a norma disciplinar da escola, advoga em proveito próprio (do seu filho) está cometendo um equívoco contra a sociedade. Por outro lado, o egoísmo do pai é reflexo de como ele aprendeu a sobreviver nessa mesma sociedade. Portanto, as normas de conduta escolares são algo sério, que devem ser respeitadas tanto dentro quanto fora dos muros das instituições de ensino. Da mesma forma que, as equipes que pensam as normas disciplinares, precisam saber que são reflexo de um contexto social e nele provocam efeitos.
A sociedade precisa fazer uma reflexão ética sobre as escolas. O que queremos mesmo delas? A serviço de quais valores elas estão?  Ao querermos escolas laicas, neutras e sem preconceitos, quais valores são possíveis? Quando valorizamos a competição e a vantagem em tudo, quais regras de conduta podemos afirmar nas escolas? Ao desqualificarmos o estudo tradicional e ao criticarmos diariamente professores e instituições educacionais, o que queremos dizer com isso? Não são os colégios que estão em crise, é a visão ética do mundo que está.
Não dá para fazer crítica a um ou outro aspecto do fazer prático desta ou daquela escola. O que temos que saber é o que queremos eticamente delas todas. Ao abandonarmos os valores tradicionais, ao abandonarmos a política partidária, ao optarmos pelo capitalismo e pela liberdade de opinião e de fazeres; o que queremos que a escola ensine no âmbito ético? Afinal, é impossível ensinar conteúdos específicos sem imiscuí-los com uma crença moral. O professor, o diretor, enfim, as pessoas são gente; não são assépticas!
Caso a sociedade não repense uma ética para a educação e a afirme, cada educador (e cada instituição) estará liberado para agir de acordo com sua visão moral particular. Então a crítica ao fazer da escola será impossível, pois nela toda a ação moral estará justificada pela liberdade de opinião.
Preciso fazer uma exceção às escolas confessionais. As instituições verdadeiramente religiosas, dizem claramente seus valores. Afirmam como vão valorar os conteúdos acadêmicos e o que vão ensinar além dos currículos para as crianças e jovens. Quem matricula seus filhos nelas, sabe o que esperar e o reflexo que isso terá nas normas disciplinares.
As regras disciplinares serão sempre algo para a reflexão escolar. Porém, temos que decidir o que queremos ensinar (eticamente) em nossas escolas. Afinal, ao discutir exclusivamente o caso do meu filho ou da minha escola, estou sendo egoísta e alunocêntrico. Sabendo que cada vez mais as instituições de ensino serão as responsáveis pela educação moral, temos que pensar no contexto social e no papel que este ensinar tem nos dias de hoje.


Imagem obtida na internet





terça-feira, 9 de outubro de 2012

Aberta a temporada de caça



Prof. Amilcar Bernardi


Há milhares de anos atrás os homens, ou pré-homens, caçavam nas planícies ou florestas. Tinham os instintos à flor da pele no que se refere a captura e ao extermino de criaturas. O principal motivo: alimentação e sobrevivência. Evidentemente as qualidades exigidas para tal atividade eram mais a (crescente) astúcia e menos a velocidade, a boa visão e a força muscular. Os animais eram vencidos pelo conjunto destas habilidades. Os bichos podiam ter velocidade e força, mas perdiam em astúcia desequilibrando a luta pela vida.

Hoje já não temos florestas nem grandes planícies desabitadas com caça abundante. Sequer precisamos caçar. Já não há tantos animais que se escondem nas vegetações, que desaparecem nas imensidões naturais. Hoje a caça é de homens por homens. As florestas com grandes árvores e precipícios foram substituídas pela floresta de concreto e seus viadutos. Pelas entranhas das cidades homens rastejam para assaltar e matar. Outros homens se escondem em bandos para caçar os que rastejam.

Antes os animais não eram rastreados como indivíduos. Eram caçados simplesmente porque eram animais e podiam ser comidos. Não importava mais nada, sequer a raça. A caça era democrática e livre. Antes qualquer homem podia caçar qualquer animal que pudesse matar. Os bichos caçados pouco revidavam. Não eram inteligentes, morriam às dezenas.

Hoje homens caçam homens. Mas não há mais democracia na caça. Só pessoas especiais autorizadas pelo Estado podem caçar homens. Os caçadores oficiais possuem alta tecnologia para rastrear presas específicas. Armas possantes e eficazes. A caça não é livre. A tecnologia precisa identificar antes a caça. Saber quem é, onde se esconde, quem são seus pais e quais as pessoas que andam com ele. Já não é possível caçar qualquer um. Os homens do Estado podem caçar apenas alguns. Inclusive capturam os homens que, sem autorização, caçam outros homens para roubar ou apenas para matar. O ladrão que caça pessoas às escuras, escondido e rastejante, será caçado pelos caçadores autorizados. 

Na pré-história matar era corriqueiro. Ninguém era caçado porque matou alguém ou algum animal. Ninguém saia apenas para passear. Afinal, todos representavam algum perigo e sofriam alguma ameaça. As saídas eram para prover alimentos. A caça não era predatória. Matava-se para comer ou para se defender (ou defender seu território mínimo).

Hoje alguns homens passeiam apenas para pegar sol. Outros saem para trabalhar. Fazem de conta que não há uma caçada acontecendo. A caça é predatória. Hoje homens caçam homens não mais para comer ou para defender território. Caçam sem razão, por ganância, porque a lei manda ou porque é divertido. A temporada de caça de homens por homens há séculos está aberta. Caça-se com tiros, com pauladas, com facadas, com poder, com valores morais excludentes, pela fome e miséria. Hoje sobreviver é mais por sorte e menos por juízo.
 
 
 
Imagem da internet

 

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Elogio ao medo

Prof. Amilcar Bernardi


Ao  imaginar como seria a humanidade sem medo, veio à minha mente o filme Wall-E. O filme é uma animação feita em 2008, da Pixar Animation.  Em determinado momento da animação, surge uma nave espacial nos moldes da arca de Noé, onde os humanos vivem há séculos. Se movimentam através de cadeiras de rodas (na verdade sem rodas, porque flutuam). Robos servem às pessoas que não precisam sequer levantarem-se para se alimentarem. Não há medo, pois tudo é programado, previsível e limpo. Esta animação mostra como resultado disso sujeitos obesos, com a vontade enfraquecida e hipomuscalares.

O medo é um estado emocional de alerta, é a consciência de perigo imediato ou não, real ou imaginário. Presumo que em excesso é contraproducente e estressante; negativo, portanto, para a saúde. E na situação do filme Wall-E, como seria? Na hipótese da ausência total do medo, o que seria de nós? O que nos estimularia? Ou melhor, existe estímulo maior à ação do que o medo? Não creio. Alguns pensarão que o amor é um forte impulso à ação. Eu digo que a tensão do medo de perder esse amor é o que nos move, o que faz de cada dia de convivio uma conquista nova da pessoa amada.

Quando falo do medo, evidentemente não estou referindo-me ao terror, a paralização oriunda da cosnciência da morte violenta e iminente, por exemplo. Estou falando do estado de alerta, da forte espectaviva do inesperado.

Quando imagino uma situação paradisíaca, sem estímulo forte como o medo, vem a minha mente uma não ação, um não tentar. Sem o estado de alerta não há desejo de busca. Não refiro-me, deixo claro, ao sentimento de covardia, que em tudo difere do medo. A covardia é uma fraqueza, uma desistência de uma luta. O covarde não tem confiança em si mesmo. Este sentimento vil nos fazendo pensar unicamente  na dor, não nos deixa realizar, nos faz fugir do sofrimento sem esperança alguma. Este sentimento pusilânime não é medo, é paralização, é imobilidade, é desesperança.

Quando separo o medo da covardia, torno inseparável o medo da valentia. Só os valentes tem medo. Os covardes tem paralizia e terror. O covarde é imediatamente um desesperançado, um desistente imediato. O sujeito pusilânime coloca seu prazer e sua incolumidade acima de tudo e de todos. Este sujeito desprezível viveria bem na nave do Wall-E. Seria um obeso desistente de todo o movimento, um sujeito que aspira só o prazer de ser servido sem a dor de correr atrás dos seus desejos. O covarde é um hipotônico.

Eu sinto-me valente  justamente porque tenho muitos medos. São tantos que nem sei contá-los. Porém, não sucumbo, não desespero nem desisto imediatamente. Eu amo e temo perder o que amo, então amo muito mais. Temo não ser mais útil no que faço, então estudo sempre mais e procuro utilidade. Sou corajoso por que sei que felizmente não há paraíso por aqui. Sou corajoso porque supero cada temor que assalta-me para encontrar outros e superá-los novamente. A vida é isso: superação dos medos.
 
 
 
 

domingo, 2 de setembro de 2012

O caso da aluna Isadora


Prof. Amilcar Bernardi 

Eu sei que o diálogo é o melhor caminho. Os monólogos são uma insanidade, pois não há neles a abertura para o outro. Pior é quando o monólogo arregimenta milhares de pessoas. Se alguém é criticado desta forma, é bastante provável que será linchado. Os grandes meios de comunicação usam várias vezes esta estratégia infame.  A mídia fala utilizando um monólogo que, não raro, destrói muitas pessoas.

A aluna Isadora Faber enquadra-se nesta situação. Ela usou a mídia virtual para criticar sua escola e seus professores. A adolescente fotografou os problemas e emitiu opinião sobre o que acontece por lá.  Rapidamente internautas se aliaram à aluna. A imprensa noticiou o fato e a escola virou notícia. Evidentemente críticas criam audiência, ainda mais por ser de uma menina e por um meio tão moderno: o monologo nas redes sociais. Houve mudanças para melhor na escola. Porém, insisto no peso do monólogo porque, o colégio e os professores não podem fazer o mesmo. Quero dizer, tirar fotos dos alunos e dos problemas que eles trazem. Não podem registrar os pais dos alunos que vem diariamente à direção agredindo. Muito menos podem registrar o que os políticos fazem contra ela. Qualquer tentativa de reação do colégio pelo mesmo tipo de mídia será mal entendida. Então será novamente soterrado em críticas. Se esta Instituição de Ensino errar por um milímetro, será acusada de impedir a livre manifestação de uma adolescente. Concluo que não haverá diálogo. Pelo menos um diálogo público, no mesmo nível midiático da aluna.

Não acuso a Isadora de montar uma estratégia ardilosa. Nem digo que não deveria ter agido assim. Digo apenas que os professores e a direção foram enredados de tal forma que apanharão quietos. Talvez uma escola particular tenha uma equipe com jornalistas que sabem o que fazer num caso destes. Com certeza não é o caso desta instituição que, sabemos, é publica. Também sabemos que o real dirigente desta escola é um secretário de educação. Um cargo político. Portanto, está preso à opinião publica. Justo esta opinião mutável e mutante foi cooptada pela aluna. Penso que não há o que fazer. A escola está julgada e condenada.

Insisto: a aluna tem o direito inegável de se manifestar. Porém, a escola sempre estará cerceada nesse mesmo direito, pois ela foi criada para ensinar e não para defender-se nas redes sociais.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Trabalho com o 4o ano II (O caso do ovo bonito)


Trabalho com o 4o ano (O caso do ovo bonito)


Comportamento, ensinagem e aprendizagem

Prof. Amilcar Bernardi
 

Com o avanço das tecnologias, das psicologias, da neurociência e da área médica, o problema da não-aprendizagem escolar tem cada vez menos a ver com a didática, ou com o conhecimento específico que o professor tem. O empenho do professor na ensinagem em sala de aula, já não é mais fator decisivo na aprendizagem do aluno. O empenho é apenas mais um importante fator. Os cérebros e corpos estão saudáveis, as salas de aulas estão cada vez mais equipadas, o conforto no mobiliário está cada vez mais acessível. Livros e mais livros sobre ensinagem são publicados anualmente. Informações abundam, aulas à distância ao alcance de um monitor de computador. Então, onde estaria o principal problema do baixo desempenho nas avaliações dos alunos, e também do baixo desempenho nas avaliações externas à escola?

O problema, no sentido de algo a ser resolvido, está no comportamento. Entendo aqui como comportamento a reação da pessoa ao estímulo e as maneiras como reagem a esse estímulo. O comportamento acontece viabilizado principalmente pela formação da pessoa que reage e suas vivências psicossociais. Evidentemente que não reagimos de forma totalmente passiva. Por isso, um mesmo estímulo tem reações imprevisíveis em diferentes pessoas. Nossa liberdade ao reagir é maior do que apenas espasmos programados ou aprendidos por hábito. Porém nossas reações nos definem!

Acredito que estamos nos preocupando em demasia com os meios (didática, tecnologia, materiais) e esquecemos a prioridade: o comportamento. Aprender também é mudança de comportamento. Ora, se alguns alunos continuam a manter atitudes comportamentais nocivas à aprendizagem, se alguns professores mantêm atitudes avessas a ensinagem, se a sociedade mantém seu jeito contrário à disciplina e ao trabalho, pouca esperança há quando qualificamos os meios apenas. Mudamos de comportamento para aprender e aprendemos porque também mudamos de comportamento.  Caso não haja mudanças nas pessoas, nada mudará nas escolas.

Quando os responsáveis pelas crianças e jovens vem à escola meramente negociar a aprovação do aluno, num frenesi pelo avanço rápido pelos anos escolares, é fato que alguma coisa está mal. Aprovar ou não até pode ser negociável. Aprender não é negociável. A matriz (os pais ou os responsáveis pelos alunos) dos valores da comunidade aprendente, que é a gênese da compreensão da necessidade do aprender, nesse caso, está adoentada. O comportamento do aluno quando gestado por valores negociáveis e relativos em demasia, não é uma atitude favorável ao saber. Nesses casos, nada que o educador faça, fará sentido. Primeiro é preciso aprender (na vida) para mudar o comportamento, para que o comportamento seja favorável à aprendizagem escolar. Então a aprendizagem escolar, muda comportamentos na vida. É um efeito cascata.

Quando a sociedade privilegia determinados comportamentos restringindo outros, pode estar colocando as crianças e os jovens contra o que é esperado pela escola. Podemos dar como exemplos: aceitamos e incentivamos na criança um comportamento agressivo do tipo bateu levou, e matriculamos essa pessoa numa escola que não aceita qualquer tipo de violência. Irá igualmente colidir com a escola a família que tem um comportamento favorável a levar vantagem em tudo, quando a professora tiver um comportamento ético em relação à cola nas provas. Também é esperável um conflito quando incentivamos comportamentos favoráveis à “decoreba” num contexto de uma escola reflexiva e crítica!

Em relação ao educador, não é diferente. O comportamento favorável à ensinagem tem que ser aprendido e aprender também é mudança comportamental. Está claro que no sentido que quero dar aqui: não me refiro à dualidade disciplina X indisciplina. É bem mais que isso.
 
(imagem pública captada da internet)

 

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Para quem não tempo para aprender

          Prof. Amilcar Bernardi

A palavra apreender* é um enigma para mim. Por mais que pense sobre o conceito, parece que sempre algo fica de fora. Apenas percebo que pessoas são X, entram em contato com coisas que não tinham consciência antes, então se tornam X+Y. É uma questão ontológica: eram algo, agora são algo mais alguma coisa. Não que sejam coisas somadas, mais parecem um suco onde muitas coisas se misturam e viram outra coisa, geralmente bem mais gostosa que as partes separadamente. Penso que a aprendizagem acontece quando fazemos suco intelectual das coisas que se apresentam aos sentidos. Puxa, não estou sendo nada científico, mas faz tempo que o ideal de cientificidade foi abandonado por mim. Gosto mais de sucos gostosos.

Na sala dos professores observo falas que afirmam: aos alunos do ano tal, falta base. Com certeza no ano anterior ou o colega não deu o conteúdo, ou o aluno não aprendeu. Pensando assim, criamos a mais pura lógica: se não aprendeu ontem, se hoje sem base ele não aprende, com certeza amanhã não aprenderá! Como eu não entendo muito de aprendizagem, questiono: qual o tempo para apreender isto ou aquilo? Sempre o ontem determina o que o aluno pode apreender hoje?

Na minha ignorância, penso que apreender não tem tempo passado ou futuro. Apreender é sempre para hoje. Não importa o ontem, o que importa é o que hoje o aluno sabe e o que agora ainda não sabe! Em relação a aprendizagem, o ontem serve apenas como a história do aprendente, que é útil para entendermos como devemos agir com ele hoje, sempre hoje. A ligação com os objetos, mesmo os abstratos, em relação ao apreender acontece nesse momento. Estamos plugados, on-line com a relação eu e o que pretendo incorporar à minha consciência. Mesmo quando aluno apreende a conjugar o verbo no futuro, a conjugação acontece agora!

Ora, se o aprendente não apreendeu algo ontem, o que importa? Hoje sempre é o tempo atualíssimo para ele saber o que ainda não sabe!

A “falta de base” do aluno é meramente a sua história. Ela apenas indica o que o educador deve fazer nesse momento: o aluno é sempre atual.  Desde que o ontem não signifique alguma lesão neurológica ou trauma psicológico impeditivo, é apenas história. A “falta de base” não justifica a não aprendizagem. Ela não impede nada, apenas insinua, inspira o educador a como agir agora, a como facilitar a incorporação sempre atual do que o aluno ainda não incorporou à sua consciência. As aprendizagens anteriores, só são “anteriores” na lógica inventada pelas pessoas, pois se houve aprendizagem ontem, ela ainda esta “aprendida” hoje. Sempre acontece agora! Se há esquecimento, não está disponível agora a aprendizagem de “ontem”, então não houve aprendizagem.

Apreender é um suco que está sendo feito e bebido a cada segundo. É um suco que não segue a lógica temporal. Apreender é algo que se faz e se consome sem que haja distância temporal entre o fazer e o consumir. 

* Faço a distinção entre aprender e apreender. Apreender significa apropriar-se de uma informação em sua complexidade. Após apreender não mais podemos esquecer.





Figura retirada do blog: http://cartasdepaulotarso.blogspot.com.br/2010/01/aprender-e-ensinar.html

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Einstein e Heráclito não podem ser professores hoje.

Prof. Amilcar Bernardi

Os entendidos em educação há bastante tempo estão alertando os educadores que tudo está em mudança. Afirmam que a ciência cada vez mais produz cataclismos no nosso jeito de ver o mundo. Einsten “deu nos dedos” do Newton dizendo que tudo é relativo. A velocidade da máquina de escrever é impensável para as pessoas do século XXI, assim como o pensar religioso monolítico dos tempos medievais, desapareceu sob o ponto de vista das inúmeras religiões de hoje. Os tempos hodiernos estão mais para Heráclito, que partia do princípio de que tudo é movimento, e que nada pode permanecer estático, do que para os dogmas inquestionáveis.

Nesse contexto heraclítico os valores são questionáveis e mutáveis, as leis oscilam entre abrandamentos e recrudescimentos, as famílias são agrupamentos de pessoaas sem conceito definitivo, a política um jogo onde a única coisa que não se questiona é o desejo de poder. Nas escolas o termo “ensinar” sugere tempos passados. Hoje o professor é um mediador , um incentivador do aprender. A própria palavra aprender, sofre também desgaste, pois hoje aprender significa tanta coisa que as definições são múltiplas.  “Acreditar” não é mais possível, pois acreditar em que, se rapidamente o que era possível de fé já mudou?

Os jeitos de fazer educação estão  lançados nos ares seguindo dois princípios; o do Einsten (tudo é relativo) e o do Heráclito (tudo muda, menos a lei que diz que tudo muda). Também eu, motivado por estes princípios, não posso dizer que o pensamento contemporâneo está errado ou é ruim, nem que é bom ou que é melhor. Sem padrões não posso opniar, ou opino temporariamente. Nunca Sartre esteve tão certo quanto agora, quando afirmou na sua juventude que somos totalmente livres. Claro que sujeitos totalmente livres, na mesma proporção, são totalmente responsáveis pelo que escolhem, pois não sofrem limite algum ao optar.

Já que tudo muda, escrevo este texto ouvindo meu coração. Espero que também ele não mude até eu terminar este escrito/desabafo. Meu argumento “cardíaco” baseia-se nas angústias do meu dia a dia como educador. Meu intelecto maravilha-se com a liberdade nunca antes sentida. Rejubila-se com as teorias libertárias sobre o mundo da informação  cambiante, dos espaços fluidos e das relatividades morais. Porém a dor “cardíaca” surge no dia a dia, quando o professor é conclamado a renegar tal mobilidade. Tudo é real e estático demais quando o educador é chamado a responsabilidade pelo seu fazer em sala de aula, responsabilidade irrecusável e intransferível.

Fico imaginando onde está a  mudança e a fluidez contemporânea, quando o professor tem que responder as seguintes e complexas questões: o aluno reprovou ou não? Jorginho colou ou não? Quando Pedrinho caiu, tu estavas com ele ou não? Meu filho aprendeu ou não a tabuada? Bater porque foi agredido antes, é certo ou errado? O Onofre rodou ou não nos exames da OAB? Mário morreu na mesa de cirurgia, o médico aprendeu ou não a técnica? Fulano matou aula, a escola sabia ou não? Se sabia, foi incompetente? Se não sabia, foi omissa? Os cadernos de chamada foram entregues ou não nas datas determinadas? E por aí vai.

Penso que Einstein e Heráclito não podem lecionar. Na escola nada é relativo, tudo é “sim” ou “não”. E se assim não for, quem - de fato - vai ensinar que nem tudo é relativo?


terça-feira, 10 de julho de 2012

Certo X errado

Prof. Amilcar Bernardi 

Ao ouvir o comentário de uma mãe que falava sobre o número de acertos na prova do seu filho, pensei fortemente na palavra “certo”; por que a senhora valorizava positivamente os “certos” na avaliação e, coerentemente, valorizava negativamente os erros. Mas podemos ficar saboreando a palavra “certo”. Como sinônimo aparecem na minha mente: indubitável, regular, evidente, algo fixado com antecedência, algo exato. Fiquei impressionado com o que significava estar “certo”. O que seria então o antônimo disso? Vamos pensar: dubitável, desregrado, inexato, desvio de um padrão anterior. Também me impressionei com o peso psicológico e social que o erro tem. Dá até medo.

Lembrei-me de uma pergunta que fiz a um aluno que eu atendia como psicopedagogo. Perguntei ao adolescente: quem errava mais, o aluno ou o cientista? Evidentemente que ele afirmou que o aluno. Respondeu com enfado, pois para ele, a resposta era óbvia demais! Seguindo minha conversa, questionei: quantas vezes errou o cientista que procura a cura do câncer? Lembra que ainda não temos a cura em cem por cento dos casos! O jovem ficou espantado. Refletiu e disse que provavelmente, o cientista esta errando muito, pois o dia em que “acertasse”, essa doença terrível seria curada em todos os casos. Repeti então a pergunta:  quem erra mais? O rapaz com quem eu falava ficou em dúvida, pois no mínimo, ambos, o aluno e o cientista erravam muito. Um grande avanço nessa conversa foi o rapaz ter conseguido questionar o valor do erro e o próprio conceito do erro.

Se, conforme o primeiro parágrafo, o certo é o indubitável, o regular, o evidente, o que é fixado com antecedência, eu, como educador, prefiro o erro. Errar, sob este ponto de vista, é muito mais divertido, criativo e mais afeito a hipóteses. Estar certo, portanto previsível, além de ser impossível na vida, é uma chatice só. Estar certo é encontrar o fim da história, o ponto final, a morte provavelmente. Se estar certo é encontrar a exatidão porque encontrou o que já estava determinado, Einstein errou feio. Afinal, aquilo que ele falou para nós, nunca será encontrado/aferido. Pois não estava determinado antes, não cabe no conceito de “certo”, de exato; não há parâmetros para aferir. Adoro o sucesso e a inteligência, mas tenho certeza que passam longe de estar sempre certo.

Um poema bem legal é um poema errado. Sim, porque desconcerta quem o lê e também porque não tem nenhum modelo para que possamos aferir seu afastamento do correto. Uma piada só é boa quando erra, ou seja, pensamos no desfecho “x” e o resultado é muito mais (ou muito menos) que “y”. Só assim podemos rir.  Os artistas são sujeitos estranhos, diferentes, desregrados e inexatos. São sujeitos errados por essência. O verdadeiro cientista é um errador: procura o novo e as hipóteses, procura até o inquantificável (como a física quântica) e o inverossímil
» Grafia no Brasil: inverossímil. .

Ops! Eu queria falar da mãe que comentava a prova. Eu diria a ela para conversar com a professora ou professor. Crianças que acertam são tão interessantes quanto as que erram. Tenho certeza que a professora ou professor, vai sinalizar que o erro é uma hipótese, é um jeito bem interessante de entender o problema. Errar é posicionar-se também, é expressar algo importante. Eu adoro o erro criativo, aquele erro que me faz (re)pensar e a sorrir! É bastante provável que essa mãe tão dedicada, perceba que errar ou acertar não importa. O que importa é aprender a querer aprender mais e mais. Pena que alguém inventou a reprovação. Creio que talvez Isaac Newton  reprovasse Albert Einsten. E nós professores, reprovamos quem?

sábado, 30 de junho de 2012

A tirania da maioria

        

Historicamente inúmeros intelectuais e sábios contra a democracia argumentaram. Os governos democráticos incitam a tirania da maioria. A maioria popular governa de forma opressora e cruel. Numa atitude culposa (mas não dolosa) leva para os cargos eletivos políticos evidentemente vinculados a opressão social e a corrupção. O povo é algoz de si mesmo na sua inconsciência coletiva.
O grupo minoritário, dono real do poder político, ama a democracia. Na dominação espiritual do povo, seu maior aliado é a maioria. A democracia, como soberania popular, é frágil em sua gênese; principalmente onde o desconhecimento político é moeda corrente, onde o desemprego aprisiona o pensamento, onde a mídia dita modas. A democracia torna-se facilmente, e a baixo custo, uma demagogia.                                                                                                 
Algum leitor estará pensando que quero substituir a democracia por uma oligarquia. Não é isso! Meu desejo é alertar para a necessidade de melhorar a capacidade de discriminação do povo, de dar mais informações, de ensina-los a pensar mais e melhor. É necessário fazer uma melhor distribuição social dos bens culturais: oferta de escolas, de livros, de jornais, de internet, de cursos...  É preciso alertar o povo que ele é tirano inconsciente numa atitude suicida. A democracia madura e crítica de si mesma e a real educação das massas: essa é a fórmula do sucesso.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Ensino Religioso, o queremos?

Prof. Amilcar Bernardi
 
Estava num grupo de pessoas conhecedoras do tema educação. Informalmente discutíamos as mazelas que esta área sofre. O assunto pendeu, sem motivo algum, para os conteúdos do Ensino Religioso nas escolas confessionais, e se havia a necessidade de tal disciplina, afinal o Estado é laico. Fiquei ouvindo as avaliações e devo dizer que eram de alto nível.

Repentinamente, alguém do grupo lembrou que minha formação acadêmica é na Filosofia. Então perguntaram minha opinião “filosófica”. Confesso que não estava à vontade, pois tinha certeza que eu desagradaria os argumentadores da mesa. A fala unânime era que a liberdade de credo e a liberdade para não ter credo algum deveriam prevalecer. Devido a essa prevalência, o Ensino Religioso deveria desaparecer ou ser uma espécie de estudo da cultura religiosa. Afinal, entendiam os meus amigos, o Estado é laico e, portanto, a educação necessariamente seria laica também. Foi lembrado que um aluno agnóstico, ateu, cristão ou budista, não poderia ser constrangido na sua consciência de nenhuma forma.  Portanto, todo o Ensino Religioso por fundamentar-se em uma religião específica em escola confessional, deveria ser abolido. E se não tiver uma religião como fundamento, não teria sentido seu existir. Substituiria-se por alguma disciplina “das humanidades”!

Os olhares voltaram-se para mim. Imaginavam que, sendo eu sempre a favor das liberdades, concordaria com eles, mas, para espanto de todos, eu discordei. Afirmei que, em tese, o Ensino Religioso deveria manter-se nas escolas (todas) e, notadamente, nas confessionais tendo como inspiração a mística de uma religião. Evidentemente, a “inspiração na mística” não significa catecismo puro e excludente dos demais credos! Recebi uma enxurrada de questionamentos, críticas e olhares piedosos que previam uma evidente falta de argumentos de minha parte.  Tive que falar das minhas razões e vou enumerá-las.

O argumento da liberdade é muito importante. Eu diria de suma importância. Porém, desconhecer algo não faz de mim alguém mais livre. Talvez me faça um ignorante, um inconsciente de mais uma possibilidade de escolha. Deixar os jovens sem acesso ao transcendente do tipo que tratamos aqui, é jogá-los na ignorância de que milhões de pessoas experimentam isso (a espiritualidade) e são felizes.  A liberdade só acontece quando conhecemos as opções, quando temos consciência delas. Portanto, ignorar a vivência da espiritualidade nas crianças e jovens, não permite reflexões sobre ela. Sem reflexões, por menores que sejam, reduz-se a liberdade de escolha.

Claro que existe a possibilidade de só as famílias assumirem em suas casas a vivência religiosa de acordo com sua espiritualidade. Dessa forma estas questões seriam algo de cunho familiar, fora do ambiente escolar, e pronto. Creio que esta questão está a um passo de impedirmos os professores que creem em Deus de participarem dos concursos públicos, ou que trabalhem em escolas. Talvez, os mestres tenham que assinar documentos que cerceiem seu direito à expressão e a crença, para que não possam falar de algo proibido: fé e religião. Novamente a liberdade entra em cheque, só ateus ou agnósticos poderiam lecionar!

Em nosso país as pessoas podem matricular seus filhos em qualquer escola. Caso queiram que seus filhos tenham acesso à mística de uma congregação religiosa, esses pais possuem a liberdade de escolher uma escola de sua fé e gosto. Eu quero que meu filho siga os ensinamentos de Jesus, seja porque eu acredite que Ele é filho de Deus ou simplesmente porque seus ensinamentos morais são de suma importância. Nesse caso eu vou exigir o direito de matriculá-lo numa instituição de ensino que siga os passos Dele. Da mesma forma, respeito quem queira matricular seus filhos numa instituição leiga de qualidade, mesmo que sua e seu deus sejam o vestibular e o curso de medicina, por exemplo. Cada um tenha a fé que quiser, em Deus, no mercado ou no sucesso.

Também imagino o ferimento, talvez fatal, no ideal da liberdade democrática, quando os argumentos dos meus amigos tentam impedir que uma instituição religiosa possa ter escolas. É um absurdo igual a impedir que as igrejas tenham hospitais, creches, prestem assistência humanitária ou que tenham orfanatos. Alguém poderia também usar o argumento hipócrita de que os religiosos poderiam ter escolas se elas não fossem espiritualizadas, se não seguissem a mística dos seus santos fundadores!  Nesse caso as escolas seriam apenas lugares para ganhar dinheiro, sem missão espiritual alguma! Uma instituição leiga pode existir para e através do lucro; uma instituição religiosa não pode por essência!

Estamos numa época em que é moda defendermos a liberdade da imprensa, os direitos das minorias, dos presos, dos homossexuais, dos excluídos e do direito ao livre comércio entre blocos econômicos. Nesse clima de afirmação dos direitos humanos estamos tentando, já na contramão, impedir os discursos que falam do amor e da paz, só porque se filiam a instituições ligadas a transcendência! É mais fácil hoje filiar-se a um partido político do que filiar-se publicamente à mística de uma religião!

(A figura ilustrativa foi retirada do site: http://www.domtotal.com)

sábado, 12 de maio de 2012

Ninguém pede licença, somos como flashes

 Prof. Amilcar Bernardi



Comunicar é um ato invasivo. Imagina a pessoa absorta em seus pensamentos e alguém chama a sua atenção de alguma forma. A outra pessoa ao conseguir a atenção, penetrou rapidamente na cognição do sujeito antes distraído. A informação não pede licença. Quebra a vidraça dos olhos e entra, força a entrada pelos tímpanos ou pelo tato perturbando os neurônios, fazendo-se presença na nossa mente. Nunca os sons, as cores, os sabores ou os aromas pedem licença para “falarem” com nossa consciência. As pessoas agem de forma semelhante, surgem no nosso campo de percepção sem pedir licença. A comunicação é algo obrigatório/irreprimível nas vidas dos humanos.

Pensando por aí, é fácil imaginar que nem toda a informação é bem-vinda, porém, vem igual! O som que vem da porta dizendo que alguém esta a bater, o vibrar do celular “gritando” na reunião que uma alma quer se comunicar com a gente. Não conseguimos desviar a atenção daquele visual inadequado para o ambiente formal, a imagem de um acidente que tentamos não olhar, mas que se oferece despudoradamente aos nossos olhos! Podemos com certeza dizer que muitas coisas forçam a comunicação com a gente. Eu insisto na palavra comunicação porque nós respondemos (voluntária ou involuntariamente) a estes estímulos que tanto queremos evitar! Então nos comunicamos sim!

Quando vou palestrar e estou fixado no discurso verbal, veículo da minha comunicação com a plateia, esqueço que ao arrumar-me, escolher mecanicamente a gravata e o terno, nova linguagem (visual) esta se estabelecendo. Minha imagem, com certeza, também vai comunicar algo ao público. E aquele que não se preocupa com a aparência? Comunica sua despreocupação quando escolhe roupas que parecem ser vestidas ao acaso. Não dá para ser insípido, inodoro e incolor, pois somos gente. Os espaços para os comunicantes inexperientes de si mesmo está ficando cada vez menor. Sinto a necessidade de refletirmos sobre como somos informação e agimos como se não fôssemos!

Cada um de nós é uma informação que não pede licença para atingir a consciência dos outros. Aparecemos para os neurônios alheios e pronto. O outro que saiba o que fazer conosco! Surgimos sempre como flashes, assim como os outros surgem para nós. Em cada calçada, em cada emprego, em todos os momentos pessoas surgem comunicando coisas, sensações e sentimentos. Ninguém pede licença para ninguém. Cada um que se vire como pode na comunicação/aparição que faz de si mesmo! E o outro que se vire também com o que fará com o seu surgimento instantâneo nas consciências alheias!

terça-feira, 8 de maio de 2012

O funk é feminista?

                       Prof. Amilcar bernardi 

Acabei de ler um artigo intitulado “O funk é feminista”, na revista Superinteressante (Maio de 2012, edição 304). Como diz o título, o funk seria feminista porque brada pela liberdade sexual das mulheres, além de quebrar o padrão de beleza socialmente admirado nos dias de hoje, mulheres magras e loiras. Após ler o texto da Profa Doutora Carla Rodrigues, confesso, fiquei a pensar sobre o assunto.

O Funk é um movimento musical, porém, como bem mostra o texto, tem preponderantemente um conteúdo sexual explícito.  Fico mentalizando todas as imagens que veem à minha imaginação sobre esse tema. Claro que imagens marcadas pela mídia. Na minha mente aparecem sempre mulheres dançando/rebolando com roupas mínimas. É provável que eu esteja falando uma coisa óbvia, pois o funk e mulheres desejáveis são inseparáveis. Puxo da minha memória midiática as letras das músicas apresentadas por este movimento. Percebo que também estas composições falam da sensualidade da mulher, dos desejos sexuais consumados e, na grande maioria das vezes, a rima é pobre, o palavreado é rude, também não é incomum palavrões. Pelo menos é o que vejo, leio e ouço através das mídias, notadamente as televisivas. E não tenho culpa de não querer comprar Cds desta natureza e estar minimamente conectado à TV. Quem se expõe a esta ou aquela mídia, fez uma opção e não pode reclamar de ser percebido através da mídia escolhida.

Se eu fosse mulher, odiaria o texto opinativo da revista Superinteressante. Como homem, odeio igualmente. O funk não é feminista, é um ultraje à mulher. Aproximar o ideal libertário feminino de um viés apenas, o sexual, é minimizar a questão e empobrecê-la. Este tipo de movimento não é uma expressão política das mulheres. É sim o resultado de uma política, uma política excludente de uma grande parcela da sociedade brasileira.  Se o ritmo funk expressasse uma mudança qualitativa ampla, aí sim, seria algo a ser respeitado. Porém, dizer que a expressão no funk do desejo sexual através de imagens e letras caricaturais do universo da mulher, é uma das expressões do feminismo, é uma bobagem.  O feminismo é muito maior que este tipo de liberdade. Tão maior que o funk desaparece (se apequena) no contexto da luta da mulher para ser protagonista da sua história.

As moças funkeiras são vítimas da exclusão escolar, da exploração sexual e vendem seu produto “artístico” notadamente para os homens. Excluídas de outras vivências culturais usam seu corpo, o sexo e seu vocabulário (qualitativamente e quantitativamente empobrecido) na ilusão de que provocarão mudanças. Sonham em mudarem não a sociedade, mas suas vidas através do dinheiro dos seus shows. O que até é possível. Porém, o preço a pagar é a manutenção de inúmeras outras mulheres na condição de excluídas de uma vida escolarizada, menos sexualizada e de salários mais dignos. O funk não é, nem nunca será, uma expressão de um ideal feminista.

sábado, 28 de abril de 2012

Trabalho, vida e legítima defesa

                      Amilcar Bernardi



Há uma distinção um tanto óbvia, entre trabalho e emprego. Quando falamos em trabalho, incluímos todas as atividades humanas que pretendam transformar a natureza. É o esforço proposital que tem como meio as capacidades físicas ou intelectuais da pessoa. Por outro lado quando falamos em emprego, o sentido é mais restrito. A pessoa está empregada quando está a serviço de outro. Tradicionalmente e de forma dicotômica, esta distinção baseia-se no fato de que alguém tem os meios de produção e outros são um meio de produção.

A ideia de emprego é historicamente posterior à capacidade humana de trabalho. Os séculos de convivência entre trabalho e emprego quase que fundiram os dois conceitos. Essa amálgama conceitual “normalizou” e normatizou a convivência entre ambos. Porém, a coisa foi além a ponto de alguém que trabalha, mas não tem emprego, ser visto como uma exceção tornando-se uma figura no mínimo estranhável. Esquece-se que raramente alguém é desempregado por desejo próprio, como opção consciente de vida.  A questão complica-se ainda mais: com o avanço civilizatório, o vinculo empregatício tornou-se obrigatório para a manutenção da vida de um número crescente de pessoas.  Poucos (em relação à absoluta maioria) conseguem sobreviver sem emprego, apenas de seu próprio trabalho. Artesãos, costureiras, intelectuais, escritores e etc. cada vez menos sobrevivem sem algum tipo de vínculo remuneratório.

Quem não tem dinheiro morre ou tende a morrer. Quem não tem emprego não tem (ou tende a não ter) dinheiro em quantidade suficiente para viver. Seguindo esta lógica capitalista, como a grande maioria da população não consegue sobreviver com seu trabalho próprio e precisa vincular-se aos empregadores, então a vida é para poucos. Os discursos tentam dourar esta pílula indigesta. Penso que todas as questões que envolvem a vida humana são de primeira importância.

É legitima defesa reagir a alguém que nos ameasse de morte, quando o Estado está ausente ou impedido de nos defender. Quando a sociedade, sob a égide do Estado, não emprega seus cidadãos, ou seja, limita (ou elimina) sua qualidade de vida, esta mesma sociedade ameaça de morte uma quantidade incrível de pessoas. Portanto, toda a reação delas a isso é (ou tende a ser) legítima defesa.

domingo, 22 de abril de 2012

A Filosofia e a qualidade de vida

Prof. Amilcar Bernardi



Quando vamos à academia de musculação malhar, não importa com o que vamos nos exercitar. Importante é a própria atividade muscular, sua qualidade e eficácia. Os aparelhos são apenas meios.

Manter a capacidade de aprender e refletir é algo semelhante. O que mais importa é a atividade intelectual que os diversos saberes impõe à mente. Claro que, no sentido moral, é fundamental o conteúdo do que aprendemos. Mas para o desenvolvimento da reflexão, o que é fundamental é a atividade intelectual (ela é a finalidade).

Por esse viés podemos responder a questão: por que ensinar Filosofia nas escolas? Devemos ensinar porque o filosofar é uma excelente atividade para desenvolver a capacidade de aprender. A Filosofia passa a ser nas escolas, um meio (e não um fim em si mesmo) para o desenvolvimento intelectual.

Outro aspecto importante: o estudo das correntes filosóficas tem como efeito prático o disciplinamento dos desejos juvenis. Estudar os grandes pensadores que tanto falam sobre a virtude, a razão, a política e sobre os motivos das ações humanas, leva o aprendiz a melhor gerenciar seu querer.

Pensar é um refletir sobre ideias. A Filosofia alimenta as ideias para um pensamento mais qualificado. O saber filosófico retira o aluno do centro do seu mundinho. Ela o faz imergir no contexto, na realidade. O adolescente entra em contato com outras verdades tão possíveis quanto as suas e, não raro, mais coerentes e complexas.

Ensinar Filosofia é reconhecer que a vida é um problema sem solução, portanto, é a complexidade da vida que fascina. Filosofar é reconhecer que viver (bem viver) é pensar (bem pensar). O jovem precisa saber que sua qualidade de vida é dependente da reflexão sobre o que aprendeu, ou melhor, da sua capacidade (sempre ampliada) de refletir.