Follow by Email

sábado, 12 de maio de 2012

Ninguém pede licença, somos como flashes

 Prof. Amilcar Bernardi



Comunicar é um ato invasivo. Imagina a pessoa absorta em seus pensamentos e alguém chama a sua atenção de alguma forma. A outra pessoa ao conseguir a atenção, penetrou rapidamente na cognição do sujeito antes distraído. A informação não pede licença. Quebra a vidraça dos olhos e entra, força a entrada pelos tímpanos ou pelo tato perturbando os neurônios, fazendo-se presença na nossa mente. Nunca os sons, as cores, os sabores ou os aromas pedem licença para “falarem” com nossa consciência. As pessoas agem de forma semelhante, surgem no nosso campo de percepção sem pedir licença. A comunicação é algo obrigatório/irreprimível nas vidas dos humanos.

Pensando por aí, é fácil imaginar que nem toda a informação é bem-vinda, porém, vem igual! O som que vem da porta dizendo que alguém esta a bater, o vibrar do celular “gritando” na reunião que uma alma quer se comunicar com a gente. Não conseguimos desviar a atenção daquele visual inadequado para o ambiente formal, a imagem de um acidente que tentamos não olhar, mas que se oferece despudoradamente aos nossos olhos! Podemos com certeza dizer que muitas coisas forçam a comunicação com a gente. Eu insisto na palavra comunicação porque nós respondemos (voluntária ou involuntariamente) a estes estímulos que tanto queremos evitar! Então nos comunicamos sim!

Quando vou palestrar e estou fixado no discurso verbal, veículo da minha comunicação com a plateia, esqueço que ao arrumar-me, escolher mecanicamente a gravata e o terno, nova linguagem (visual) esta se estabelecendo. Minha imagem, com certeza, também vai comunicar algo ao público. E aquele que não se preocupa com a aparência? Comunica sua despreocupação quando escolhe roupas que parecem ser vestidas ao acaso. Não dá para ser insípido, inodoro e incolor, pois somos gente. Os espaços para os comunicantes inexperientes de si mesmo está ficando cada vez menor. Sinto a necessidade de refletirmos sobre como somos informação e agimos como se não fôssemos!

Cada um de nós é uma informação que não pede licença para atingir a consciência dos outros. Aparecemos para os neurônios alheios e pronto. O outro que saiba o que fazer conosco! Surgimos sempre como flashes, assim como os outros surgem para nós. Em cada calçada, em cada emprego, em todos os momentos pessoas surgem comunicando coisas, sensações e sentimentos. Ninguém pede licença para ninguém. Cada um que se vire como pode na comunicação/aparição que faz de si mesmo! E o outro que se vire também com o que fará com o seu surgimento instantâneo nas consciências alheias!

terça-feira, 8 de maio de 2012

O funk é feminista?

                       Prof. Amilcar bernardi 

Acabei de ler um artigo intitulado “O funk é feminista”, na revista Superinteressante (Maio de 2012, edição 304). Como diz o título, o funk seria feminista porque brada pela liberdade sexual das mulheres, além de quebrar o padrão de beleza socialmente admirado nos dias de hoje, mulheres magras e loiras. Após ler o texto da Profa Doutora Carla Rodrigues, confesso, fiquei a pensar sobre o assunto.

O Funk é um movimento musical, porém, como bem mostra o texto, tem preponderantemente um conteúdo sexual explícito.  Fico mentalizando todas as imagens que veem à minha imaginação sobre esse tema. Claro que imagens marcadas pela mídia. Na minha mente aparecem sempre mulheres dançando/rebolando com roupas mínimas. É provável que eu esteja falando uma coisa óbvia, pois o funk e mulheres desejáveis são inseparáveis. Puxo da minha memória midiática as letras das músicas apresentadas por este movimento. Percebo que também estas composições falam da sensualidade da mulher, dos desejos sexuais consumados e, na grande maioria das vezes, a rima é pobre, o palavreado é rude, também não é incomum palavrões. Pelo menos é o que vejo, leio e ouço através das mídias, notadamente as televisivas. E não tenho culpa de não querer comprar Cds desta natureza e estar minimamente conectado à TV. Quem se expõe a esta ou aquela mídia, fez uma opção e não pode reclamar de ser percebido através da mídia escolhida.

Se eu fosse mulher, odiaria o texto opinativo da revista Superinteressante. Como homem, odeio igualmente. O funk não é feminista, é um ultraje à mulher. Aproximar o ideal libertário feminino de um viés apenas, o sexual, é minimizar a questão e empobrecê-la. Este tipo de movimento não é uma expressão política das mulheres. É sim o resultado de uma política, uma política excludente de uma grande parcela da sociedade brasileira.  Se o ritmo funk expressasse uma mudança qualitativa ampla, aí sim, seria algo a ser respeitado. Porém, dizer que a expressão no funk do desejo sexual através de imagens e letras caricaturais do universo da mulher, é uma das expressões do feminismo, é uma bobagem.  O feminismo é muito maior que este tipo de liberdade. Tão maior que o funk desaparece (se apequena) no contexto da luta da mulher para ser protagonista da sua história.

As moças funkeiras são vítimas da exclusão escolar, da exploração sexual e vendem seu produto “artístico” notadamente para os homens. Excluídas de outras vivências culturais usam seu corpo, o sexo e seu vocabulário (qualitativamente e quantitativamente empobrecido) na ilusão de que provocarão mudanças. Sonham em mudarem não a sociedade, mas suas vidas através do dinheiro dos seus shows. O que até é possível. Porém, o preço a pagar é a manutenção de inúmeras outras mulheres na condição de excluídas de uma vida escolarizada, menos sexualizada e de salários mais dignos. O funk não é, nem nunca será, uma expressão de um ideal feminista.