Follow by Email

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Pêsames...

Como se meu coração fosse apertado.
Como se meu corpo fosse muito pesado.
Pés lentos, na areia se arrastando.
Olhos jovens, mas que vão cegando...
Como enfraquecido estivador...
Como alguém que esvai-se em dor...
Corpo jovem, mas desgastado...
Belo, porém pela dor tão enfeiado!
Como um guerreiro já perdido...
Como um valente fatalmente ferido...
Andante sem rumo, sem norte...
Tão jovem e já dedicado à morte!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Anjo triste...

Prof. Amilcar Bernardi


Anjo triste, nebulosa,
triste aparição, chorosa...
Tão silenciosa,
tão mimosa
e soluçante...
Meiga amante,
brisa que amanhece...
É como diáfana prece
que sobe às alturas!
Alma de doçuras
chora rútilos cristais!
Os olhos siderais
são orbes castanhos...
São olhos tamanhos,
embelezam a menina!
Anjo triste que fascina,
anjo com corpo de fada!
Moça alada,
moça brumosa,
moça formosa!
Por luzes aclarada
em noite enluarada
que nunca ninguém viu...
O anjo que do céu caiu,
o anjo feito de infinito,
sumiu de repente!
O anjo transparente
daqui partiu...
Ela fugiu
meiga e nebulosa,
triste e chorosa
para sempre...





sábado, 17 de dezembro de 2011

Concursos de beleza? (postado novamente)

Prof. Amilcar Bernardi


Os racionalistas como Descartes defendiam a impropriedade do corpo e exaltavam a razão. As coisas do espírito (racionalidade) não se confundiam com as coisas corporais. O corpo (os sentidos) se engana a todo momento, portanto, não é confiável. Inclusive prejudica a racionalidade, diziam. Lembrem (como exemplo) que foram os cálculos matemáticos e a inventividade do espírito humano que nos garantiram saber o tamanho verdadeiro da lua! O olho não foi capaz disso.
Pensavam os racionalistas que cultuar o corpo como fonte do conhecimento e da humanidade do homem é errado. O cultivo do espírito (razão) é o que faz do homem o que ele é, o que o diferencia dos animais.
Claro que essas afirmações já estão desgastadas pelo tempo. Hoje sabemos que espírito sem corpo é fantasma e corpo sem espírito é zumbi. Quero dizer que a racionalidade acontece através do corpo (dos sentidos) e que corpo sem racionalidade não é um ser humano.
Agora pergunto: Quando colocamos a beleza (do corpo) como um valor fundamental, o que acontece?
Todos os que participam dos concursos de beleza vão dizer que essa pergunta não faz sentido. Dirão que a pessoa não é bonita porque tem um corpo bonito e sim porque tem simpatia, fala bem, tem expressão corporal e cênica. Enfim, outros atributos (além dos físicos) fazem aquela pessoa bonita! Ficam inclusive ofendidos e nos chamam de ignorantes se falarmos que, mesmo assim, o que vale mesmo é o corpo. Os adeptos dos concursos de beleza quando advogam que a beleza da alma se confunde com a beleza da plástica corporal, tentam se defender antecipadamente. Defendem-se dos que dizem que tais concursos são principalmente exposição de corpos. A necessidade desta defesa é compreensível porque é muito difícil defender de forma clara uma vitrine de corpos humanos. Então é imperioso encontrar algo mais do que a exposição de pele, cabelos e ossos para podermos validar moralmente um concurso de beleza.
Quando a bela criança de seis anos, Natália Stangherlin, ganha duas vezes concursos internacionais de beleza, podemos dizer que estamos incentivando nela aquilo que a faz humana? Quero dizer, estaríamos dizendo a esta criança linda que o principal na vida não é a plástica? Ou estaríamos dizendo, no sentido do primeiro parágrafo, que o corpo sem espírito (racionalidade) deve ser cultuado? Melhor ainda: uma criança indefesa, aos seis anos, exposta aos flashes, ao glamour, às viagens internacionais, conseguirá internalizar valores outros que não somente os da beleza física? Quais valores estariam sendo fixados na alma dessa criança, antes que ela tenha condições de refletir sobre os próprios valores?
Claro que os defensores dirão ao ler o parágrafo anterior: convém entender que a beleza corporal dura pouco tempo. Que antes da reflexão madura é imperioso curtir a juventude e a graça de ser bela.
A pressa justificaria a irreflexão. Afinal, ficamos feios muito cedo.
Arrisco-me muito ao escrever a minha opinião. Serei duramente criticado.
Entendo que as crianças não sabem o que é o belo. É a gente que ensina. Também não sabem o que é o bem. A gente ensina. A criança é linda porque é pura. È linda porque é boa. A criança não é linda porque é bela na plástica corporal. O corpo é um detalhe pequeno se pensarmos a beleza de ser criança.
Cabe saber se aos seis anos salientar a beleza plástica é algo bom. Gostaria de manter essa dúvida em minha alma até que provem em contrário, ou seja, que deixar a criança exposta ao olhar público, ávido por belezas passageiras e desejosos de corpos magníficos, faz bem. Se faz bem para o desenvolvimento das meninas e meninos como um todo! Insisto: como um todo. O desenvolvimento de uma faceta só empobrece.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Não tenho um Global Positioning System

Prof.Amilcar Bernardi


Não tenho um GPS (Global Positioning System - Sistema de Posicionamento Global) dentro de mim. Penso que algumas pessoas têm. Elas parecem estar bem posicionadas psicologicamente, sabem onde estão e para onde vão na vida.  Possuem um GPS existencial que não possuo.

Estas pessoas dão conselhos e orientam os transeuntes da vida. Sentem-se faróis para os navegantes existenciais. Não consigo ser assim. A coisa fica mais complicada quando estou no meio acadêmico. Entendo aqui academia no sentido lato, ou seja, refiro-me as instituições vocacionadas para o ensino.

No meio acadêmico há mais faróis que navegantes.  Eu gosto mais de navegar que sinalizar caminhos.  Nesses locais de iluminados sempre (sempre mesmo!) alguém me aborda perguntando sobre mestrados e doutorados.  “Qual tua linha de pesquisa?” questionam-me despudoradamente, algo como a fatalidade do “Decifra-me ou devoro-te”.

Como não tenho GPS, sou um tanto desorientado no mundo intelectual, fico bastante constrangido. Sou obrigado a responder que estudo de tudo um pouco. Sinto-me como um clínico geral numa conferência de especialistas.  Mas não posso fugir da minha verdade: eu estudo por que gosto de estudar. Claro, minha área é a educação! Voltando ao exemplo que dei, seria como um médico dizer que sua área de estudo é a saúde... muito amplo, não? Porém, estudo assim... amplitudes!

Cobram-me estudo linear (linha de pesquisa). Acabam indicando o professor fulano ou beltrano que trabalha com tema similar ao que abordo. Assim ficaria fácil encaixar-me em tal ou qual pesquisa, nesta ou naquela Instituição de Ensino. Causo espanto quando agradeço e digo timidamente que no momento não quero isso para mim. Então me abandonam como um sujeito incapaz de avançar pelos caminhos dos saberes. Estou em franca desvantagem porque eles nasceram com GPS. Eu não! Adoro ficar por aí aprendendo ao léu. Gosto de sentir-me livre fazendo o que mais gosto, escrever. É isso. Talvez um dia eu adquira o Global Positioning System existencial. Só então serei um acadêmico responsável, mais um faról a iluminar as trevas dos perdidos sem GPS.


terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Crítica à matéria do Fantástico

Prof. Amilcar Bernardi

Estamos enfrentando (e já faz um bom tempo) problemas na educação. Problemas óbvios como a estrutura física dos prédios e os baixos salários. Também é problemática a colisão entre os valores da sociedade com os valores das escolas. Acrescento a esses problemas, a autorização que muitos se dão de opinar sobre a educação. Criou-se o caos na cabeça das pessoas, pois os especialistas pouco são ouvidos e quando o são, a linguagem é muito complexa. Convém lembrar que a linguagem dos educadores é complexa como é a linguagem das demais ciências.  Todas as ciências têm dificuldade em simplificar para o leigo seus saberes. Com a educação não é diferente. Por isso os opinadores são mais ouvidos que os conhecedores do assunto.
Confesso não ter assistido os quadros anteriores do Fantástico, intitulados Conselho de Classe. Apenas o deste domingo assisti. O programa apresentou um professor dito modelo de sucesso. Nos comentários dos apresentadores haviam palavras como “infalível”, “pop star” e “eletrizar”.  As cenas mostravam um professor alegre e bom comunicador.  Todos os vieses apresentados sugeriam que aquele tipo (e existem infinitos tipos) de aula era o ideal. A insinuação era que um professor mais festivo, alegre, atualizado nos gostos adolescentes e bem humorado, é um educador necessariamente bem sucedido. Por consequência, afirmou-se subliminarmente que o aluno só aprende (ou aprende mais fácil) com professores que escolhem o fazer pedagógico apresentado pela emissora de TV.
Evidentemente que a matéria do Fantástico é extremamente simplória e é uma visão “da moda”.  Qualquer livreco que fale sobre as “10 maneiras de ser um professor de sucesso instantaneamente”, diria o que foi sugerido pela matéria.  Não senti-me bem ao ver aquelas cenas.  Não sou contra a alegria como veículo para a aprendizagem. O que quero dizer é que não existe um jeito de ensinar. Existem infinitos jeitos. Escolher um e mostrá-lo como exemplo, é minimizar a complexidade intrínseca ao manejo de turmas.
Assusta-me imaginar que (de imediato!) a matéria foi aceita pelo público. Num mundo atiçado pela velocidade e pela aversão ao que dá “trabalho”, entendo que a matéria não ajudará em nada os problemas que o país enfrenta nessa área tão vital para o futuro.

domingo, 4 de dezembro de 2011

Vida...


Amilcar Bernardi

A vida sempre brota.
Ela a morte derrota
porque a vida nunca morre.
A vida flui, por tudo escorre;
barragens não a contém.
A morte não vale vintém
pois a vida é forte correnteza.
Morte é feiúra, vida é beleza.
Quem morre, vive na gente.
A vida é forte corrente,
nos liga em fraternidade.
A morte é mediocridade
dos que não querem crer!
A vida sempre a verter
como nascente que brota.
Ela a morte sempre derrota
Porque a vida não morre.
Nunca!