Follow by Email

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

História maluca do ônibus maluco...



Muito estranha a história tamanha que aconteceu. Uma coisa maluca contada por um cara biruta. A coisa era muito rara, um ônibus com asa!!!!!! Tinha duas asas enormes com barulho de canhão. Se o ônibus de asas acelerava muito, provocava furacão!!!!!  Os vidros eram coloridos e o motor provocava zumbidos. Dizem que o motor era feito de abelhas e as janelas, quando voava perto do sol, ficavam vermelhas.  O resto do ônibus era da cor violeta e as grandes asas eram de borboleta. Ele dormia de noite e viajava de dia. Andava devagar se estava triste, mas corria para brincar com a ventania. As rodas eram de girassóis e os faróis eram de vaga-lumes.  Era muito bonito, de grande beleza. A menina chamada Cesa amava o ônibus maluco de maluquice sem fim! A outra menina se chamava Prin. Ambas as meninas viajam sempre nele.  A Prin e a Cesa contaram que dentro do ônibus tinha gato, galinha e pato. O pato tinha quatro filhas, quatro patas. Lá tinha também um cavalo. Era amigo do pato porque o cavalo tinha também quatro patas. Maluco não?

Cabia todo mundo no ônibus amalucado. Só não cabia mau olhado.  Bom olhado tinha bastante lá dentro. A Menina Prin e a Cesa adoravam passear no veículo que sabia voar. No ônibus não tinha ferrugem e os bancos eram de nuvem.  A direção era bem leve e a buzina era de leão: roaaarrrr!!!!!!!!!!! Era buzinar e um susto levar!!!!!!! Era lindo ver o ônibus, não tinha preço para vendê-lo. Tinha também um príncipe desencantado. O cara era um trapo, tinha cara de sapo! O príncipe sapo saltava o tempo todo. Era preciso dar um beijo para ele voltar ao normal, mas como pegar aquele maluco se ele se pendurava no castiçal? Ops! Tinha castiçal esse ônibus anormal? Claro que tinha! A Prin e a Cesa descobriram o seguinte: o príncipe sapo num pular sem fim, era muito feliz assim! Não precisava beijar a bochecha dele, afinal, ele não queria mudar!!!!!!!!!!! Coisa bem maluca essa história.  Uma coisa é bem certa nessa conversa: quem não a entender nem acreditar não pode entrar nessa viagem estranha. Só passeia quem acredita.  A Prin e a Cesa não têm tempo para perder, o tempo passa rápido demais e sonhos é preciso ter!

Da janela abanam a Prin junto com a Cesa. Já estão indo com o motor zumbindo cheio de abelha, com sua janela vermelha, lataria violeta com asas de borboleta, rodas de girassóis e faróis de vaga-lumes. Vamos nessa também?

Um comentário:

  1. Já estou no ônibus e viajando rubi! Não sou a Prin e nem a Cesa, sou a Fabee: mulher-menina que com o lúdico se fascina! Doce como o mel das abelhinhas, na imaginação carrego as asas das borboletinhas! Sem tirar os pés do chão, preciso de magia para sobreviver à forte ventania, que sopra do mundo desumano, fora do autobus hermano!

    ResponderExcluir