Follow by Email

quinta-feira, 28 de março de 2013

A impossibilidade de criticar


                                                                       Prof. Amilcar Bernardi



     Quando tu estás numa rodovia tomada por neblina, para tua segurança e para a dos outros, tiras o pé do acelerador. A questão é simples: a ausência de nitidez te deixa inseguro nas decisões. Se não há clareza, se os contornos da estrada não são visíveis, a probabilidade de acidente é muito grande. Neste exemplo, as questões filosóficas que tratam do conhecimento e da verdade, não fazem sentido para o motorista, pois ele tem que andar pela estrada perigosa através de uma prática objetiva. A cada metro rodado, uma decisão tomada. A nitidez, portanto, é vital quando as decisões exigem exatidão.    
A política, por ser uma engenhosidade humana que não quer, nem pode querer por essência a clareza absoluta, é uma rodovia tortuosa e perigosa. Acontece que agora houve um exagero.
Enquanto houve a ditadura no Brasil, as pessoas quase não percebiam a tortuosidade da política numa ilusão que as acalmava. Havia o mal personificado nos militares, na ausência de liberdade. Ser crítico ativo era igual a ser contra a ditadura. Todos sabiam se tu eras da esquerda ou da direita. O simples fato de não opinar já era forte indicio de que tu eras da direita!

     Hoje as coisas estão complicadas demais nas rodovias da política. O nevoeiro está muito denso. Como ter convicções e acelerar em alguma direção se não há mais esquerda e direita perceptíveis? Como objetivamente votar se a oposição é quase situação nas propostas? As plataformas de um lado e de outro se confundem. A oposição já não pode sequer criticar o passado recente da situação, pois a economia em sua gênese foi elaborada por uma e efetivada por outra. O povo está órfão de definições suficientemente claras para poder posicionar-se. Não há propostas diferenciadas. A neblina das indefinições, das inseguranças e das hipocrisias não deixa as pessoas seguras. Pelo menos para poder criticar. Lembrando que criticar, nesse caso, significa avaliar posições.
   
 Estamos num momento de grave crise. Não crise porque os políticos roubam e mentem. Não é uma crise porque a economia mundial está anêmica. A crise está na ausência de nitidez nas posições. Perigosamente tudo ficou igualado na certeza da politicagem de baixo nível. Então não pode haver crítica, pois não há o que avaliar. Restou às pessoas apenas a limitação infantil de falar mal e ofender desmedidamente quem se envolve com a coisa pública.

     A crise no Brasil é a impossibilidade de criticar. Tudo está muito semelhante na estrada das politicagens. Não há placas de sinalização nem nada que nos oriente. E ainda querem que a juventude opine e tenha consciência política.

Nenhum comentário:

Postar um comentário