Follow by Email

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Temer a vida para voltar para casa vivo

 Prof. Amilcar Bernardi

Ensinamos aos jovens rejeitar estranhos, a andar de olhos abertos para ameaças, não pegar carona de qualquer pessoa, suspeitar de lugares escuros, não aceitar bebida, evitar pessoas oferecendo drogas, enfim, ensinamos que a vida fora do ambiente conhecido é uma selva perigosa. E parece ser verdade tudo isso.  
Estamos num século de contradições nas valorações. Os valores mais cultuados são a liberdade e a felicidade. Porém, contraditoriamente, ensinar a ter medo é uma necessidade imperiosa, mesmo que limitante. Os jovens saem à noite inconscientes dos perigos, então os mais velhos ensinam o medo. Contra a impetuosidade juvenil os conselhos e as admoestações sobre os perigos onipresentes. Também às crianças ensinamos a desconfiança em relação aos adultos e às situações diferentes.
A utopia da confiança no próximo está cada vez mais distante. No lugar da confiança ensinamos a inquietação, a criticidade exacerbada e a escolha do menos perigoso. Não dá para dizer se ensinar a tensão e a desconfiança é algo errado. Talvez a aprendizagem do medo seja algo necessário, uma adequação a um mundo que se modifica rapidamente. Entretanto, fica uma incompatibilidade entre os valores do amor e da solidariedade e o ensino de um estado de alerta, de receio do próximo.
Não é novidade que a sociedade esta adoentada porque não sabe quais valores priorizar. Então, pela simples inércia do movimento capitalista, o que se sedimentou foi a escolha do lucro, da brevidade, da individualidade e da escolha ao culto da liberdade do consumo de bens e de corpos jovens.
Sem tempo e sem querer parar para refletir sobre os valores que nos norteiam hoje, os adultos resolveram estimular a perturbação da fé no outro, substituindo a confiança pelo sentimento de risco: os outros são avaliados como risco real. Então os pais sentem-se mais tranquilos quando conseguem ensinar aos jovens o receio, a apreensão, enfim, o medo. Ensinam, novamente de forma contraditória, que é preciso temer a vida para poder voltar para casa vivo. É isso que queremos?

3 comentários:

  1. Prof. Amilcar Bernardi, o seu texto é esclarecedor e leva-nos a tomar as decisões mais acertadas. Certo temor já existe em nós como um dispositivo a nos livrar do males. Com o passar do tempo parece que esse dispositivo parou de funcionar e o excesso de confiança reinou. Eu ensino sempre a não confiar nas pessoas, pois é mais seguro. Hoje impera o capitalismo e precisamos ter um pouco de bom senso para viver bem, fazendo escolhas e acertando o máximo que pudermos. Ainda assim existe um espaço para os acidentes. Enfim, precisamos fazer o nosso melhor na educação para obtermos sucesso. Nem sempre os filhos/jovens nos ouvem, mas fica o ensino gravado dentro dele para que saiba usar no momento propício.

    Você é um grande educador! Abraços!

    Sonia Salim

    ResponderExcluir
  2. Querida Sonia! Teus comentários estimulam-me muito, de verdade!
    Acredito que tu és representante de um número pequeno de pessoas em quem podemos confiar sem medo. Beijos confiantes!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns,caríssimo professor Amilcar Bernardi,pela lucidez do seu olhar,nessa prática vigente e atual,que nos conduz nesse mundo desigual e inóspito,onde ensinar a ter medo é a melhor defesa para a sobrevivência.Infelizmente,parece ser a única saída tangível à nossa disposição.Belo texto a ser apreciado e divulgado!

    Zinah Alexandrino

    ResponderExcluir