Follow by Email

sábado, 13 de outubro de 2012

As normas disciplinares e a moral escolar

Prof. amilcar Bernardi 
Tradicionalmente o certo e o errado dentro das instituições escolares são vistos como nas antigas cidades gregas.  Nelas, os cidadãos pensavam as necessidades de suas cidades, e não refletiam sobre as outras ou sobre o reflexo de suas escolhas sobre a natureza. O cidadão era aquele que vivia e pensava na sua cidade. Hoje quando há conflito no colégio, o contexto também não é levado em consideração.
É uma miopia pensarmos apenas numa moral escolar interna. Isso não é possível. Expulsar um aluno, similar ao o ostracismo grego, pode ser uma ação boa para a unidade escolar e má para o contexto social. Por outro lado, criticar as escolas ou dar atribuições que não são exequíveis para ela, pode parecer ser bom para a sociedade, mas é péssimo para os colégios. Na relação sociedade/ escola, com certeza o que é ruim para um é ruim para ambos!
As questões disciplinares não podem ser vistas como algo que diga apenas respeito aos sistemas de ensino. Diz respeito a todos. Cada pai que, quando em conflito com a norma disciplinar da escola, advoga em proveito próprio (do seu filho) está cometendo um equívoco contra a sociedade. Por outro lado, o egoísmo do pai é reflexo de como ele aprendeu a sobreviver nessa mesma sociedade. Portanto, as normas de conduta escolares são algo sério, que devem ser respeitadas tanto dentro quanto fora dos muros das instituições de ensino. Da mesma forma que, as equipes que pensam as normas disciplinares, precisam saber que são reflexo de um contexto social e nele provocam efeitos.
A sociedade precisa fazer uma reflexão ética sobre as escolas. O que queremos mesmo delas? A serviço de quais valores elas estão?  Ao querermos escolas laicas, neutras e sem preconceitos, quais valores são possíveis? Quando valorizamos a competição e a vantagem em tudo, quais regras de conduta podemos afirmar nas escolas? Ao desqualificarmos o estudo tradicional e ao criticarmos diariamente professores e instituições educacionais, o que queremos dizer com isso? Não são os colégios que estão em crise, é a visão ética do mundo que está.
Não dá para fazer crítica a um ou outro aspecto do fazer prático desta ou daquela escola. O que temos que saber é o que queremos eticamente delas todas. Ao abandonarmos os valores tradicionais, ao abandonarmos a política partidária, ao optarmos pelo capitalismo e pela liberdade de opinião e de fazeres; o que queremos que a escola ensine no âmbito ético? Afinal, é impossível ensinar conteúdos específicos sem imiscuí-los com uma crença moral. O professor, o diretor, enfim, as pessoas são gente; não são assépticas!
Caso a sociedade não repense uma ética para a educação e a afirme, cada educador (e cada instituição) estará liberado para agir de acordo com sua visão moral particular. Então a crítica ao fazer da escola será impossível, pois nela toda a ação moral estará justificada pela liberdade de opinião.
Preciso fazer uma exceção às escolas confessionais. As instituições verdadeiramente religiosas, dizem claramente seus valores. Afirmam como vão valorar os conteúdos acadêmicos e o que vão ensinar além dos currículos para as crianças e jovens. Quem matricula seus filhos nelas, sabe o que esperar e o reflexo que isso terá nas normas disciplinares.
As regras disciplinares serão sempre algo para a reflexão escolar. Porém, temos que decidir o que queremos ensinar (eticamente) em nossas escolas. Afinal, ao discutir exclusivamente o caso do meu filho ou da minha escola, estou sendo egoísta e alunocêntrico. Sabendo que cada vez mais as instituições de ensino serão as responsáveis pela educação moral, temos que pensar no contexto social e no papel que este ensinar tem nos dias de hoje.


Imagem obtida na internet





2 comentários:

  1. prof. Amílcar,

    Excelente o seu artigo. Percebo, de modo leigo, pois não sou professora, que, já não existe o mesmo respeito pelos professores, em sala de aula. Mal remunerados, alguns até desistem. Os verdadeiramente vocacionados insistem e não desistem. A crise educacional é complexa e não está restrita à 'pólis escolar': alunos, pais e professores são atores e também vítimas de um sistema q/ não convida a pensar. Mais não há outro caminho a não ser repensar e recomeçar diariamente...
    É a RODA VIVA! Parabéns, Amílcar!

    ResponderExcluir
  2. Amilcar, toda vez que transgredimos normas em favor de alguém estamos colocando em risco toda a sociedade. Fazer o que é certo sempre é a melhor receita. Mas o que seria o certo? Talvez o que não provoque danos à vida das pessoas. Verificar os exemplos também é bom. Enfim, o seu texto nos deixa a refletir longamente.

    Abraços!

    Sonia Salim

    ResponderExcluir