Follow by Email

sábado, 8 de setembro de 2012

Não sou humilde


Prof. Amilcar Bernardi

 

Aprendi cedo que ser humilde é cultuar uma vida onde a ausência (ou presença mínima) de orgulho é uma virtude. Aprendi desde criança que o orgulho é algo ruim. Uma espécie de vaidade viciosa e viciante. Muito melhor seria o sujeito humilde, pois age de acordo com princípios éticos. Então, sempre evitei comentar o orgulho que sentia para não incorrer na soberba.

O tempo foi passando e cansei de algumas lutas. Lutar para ser humilde esgotava-me muito. Uma energia sem nome saia pelos meus poros, olhos e palavras. Então cheguei a um dilema ético. Negar meu orgulho faria-me um hipócrita. Afirmar meu orgulho faria de mim um presunçoso.  Ambas as possibilidades horrizavam-me. Por isso não tocava nesse assunto, pois não conseguia superar essa complexidade.

Não aceitava ser hipócrita, muito menos ser presunçoso. Também não conseguia sentir em mim a humildade que tanto queria sentir. Não é fácil ser orgulhoso quando aprendemos o contrário. É como nadar contra a maré. Preferível então não tentar nadar nessas águas, mudar de assunto, fingir que não ouvimos os comentários sobre esse tema.

Quando comecei a praticar uma arte marcial, o enigma foi resolvido, as dicotomias desapareceram. Pude então sentir sem constrangimentos morais, orgulho de mim. Descobri na prática que orgulhar-se não significa diminuir alguém, menosprezar um semelhante, nem fazer propaganda de nós mesmos. Ter orgulho não é medir-se com outros. Afinal, entre dois seres humanos não há medição ou comparação possível. Isso porque não somos iguais, não há unidade de medida possível que possa descrever o mais e o menos entre pessoas.

Quando eu avancei nas aulas, superei-me várias vezes. A elasticidade crescia sempre. O que eu achava que não iria conseguir, conseguia logo a seguir. No meu tempo avancei e cada vez tinha mais orgulho de mim. Então percebi que isso não humilhava ninguém, nem implicava juízos de valor em relação a qualquer pessoa. Percebi que é muito bom o orgulho, quando ele refere-se à caminhada da própria pessoa que se orgulha.

O conceito de humildade segundo um dicionário famoso, é mais ou menos o seguinte: virtude da pessoa que age sem orgulho, nem presunção de seu mérito.  Concluo, portanto, que sou orgulhoso. Mas também concluo que não tenho o vício da soberba, nem sou presunçoso. Apenas tenho consciência do quanto avanço na minha caminhada segundo meus limites e minhas percepções. Tenho orgulho de ser um sujeito que cresce a cada dia como pessoa e que, respeitoso, não compara-se com ninguém. Que cada um seja orgulhoso de si mesmo, sempre!

Um comentário:

  1. Amilcar, é muito bom saber quem somos realmente e sentirmos que podemos nos superar a cada dia.
    Uma guerra era travada dentro de você mesmo por causa dos conceitos que o mundo criou sobre os termos. À medida que foi percebendo a sua realidade, então, aconteceu o fim da luta interna. Será que imaginei corretamente?
    Tenho muitos defeitos e me envergonho deles porque o mundo os considera ruins, mas eu não consigo ser o que não está no meu coração. Que o mundo me aceite!
    Eu tenho orgulho de ser sua amiga.

    Abraços!

    Sonia Salim

    ResponderExcluir