Follow by Email

domingo, 11 de dezembro de 2011

Não tenho um Global Positioning System

Prof.Amilcar Bernardi


Não tenho um GPS (Global Positioning System - Sistema de Posicionamento Global) dentro de mim. Penso que algumas pessoas têm. Elas parecem estar bem posicionadas psicologicamente, sabem onde estão e para onde vão na vida.  Possuem um GPS existencial que não possuo.

Estas pessoas dão conselhos e orientam os transeuntes da vida. Sentem-se faróis para os navegantes existenciais. Não consigo ser assim. A coisa fica mais complicada quando estou no meio acadêmico. Entendo aqui academia no sentido lato, ou seja, refiro-me as instituições vocacionadas para o ensino.

No meio acadêmico há mais faróis que navegantes.  Eu gosto mais de navegar que sinalizar caminhos.  Nesses locais de iluminados sempre (sempre mesmo!) alguém me aborda perguntando sobre mestrados e doutorados.  “Qual tua linha de pesquisa?” questionam-me despudoradamente, algo como a fatalidade do “Decifra-me ou devoro-te”.

Como não tenho GPS, sou um tanto desorientado no mundo intelectual, fico bastante constrangido. Sou obrigado a responder que estudo de tudo um pouco. Sinto-me como um clínico geral numa conferência de especialistas.  Mas não posso fugir da minha verdade: eu estudo por que gosto de estudar. Claro, minha área é a educação! Voltando ao exemplo que dei, seria como um médico dizer que sua área de estudo é a saúde... muito amplo, não? Porém, estudo assim... amplitudes!

Cobram-me estudo linear (linha de pesquisa). Acabam indicando o professor fulano ou beltrano que trabalha com tema similar ao que abordo. Assim ficaria fácil encaixar-me em tal ou qual pesquisa, nesta ou naquela Instituição de Ensino. Causo espanto quando agradeço e digo timidamente que no momento não quero isso para mim. Então me abandonam como um sujeito incapaz de avançar pelos caminhos dos saberes. Estou em franca desvantagem porque eles nasceram com GPS. Eu não! Adoro ficar por aí aprendendo ao léu. Gosto de sentir-me livre fazendo o que mais gosto, escrever. É isso. Talvez um dia eu adquira o Global Positioning System existencial. Só então serei um acadêmico responsável, mais um faról a iluminar as trevas dos perdidos sem GPS.


Um comentário:

  1. Adorei seu texto, identifico-me! Grande abraço, e nós somos um máximo, acredite! :-))

    ResponderExcluir