Follow by Email

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Autoria

Prof. Amilcar Bernardi
O pessoal esta cada vez mais apegado aos teclados. Pegar uma caneta é cada vez mais raro. Talvez somente na escola o uso das canetas, dos lápis e da escrita cursiva aconteça com frequência. Fora do ambiente escolar, é o teclado que domina.
O caso é tão sério que há uma discussão sobre se a escrita manual está obsoleta.  Afinal, teclar palavras é mais fácil, mais rápido e sempre é legível. É muito simples tocar em uma tecla e o chip escolher a imagem da letra a ser colocada na tela! Nunca mais queixas de má caligrafia!
Escrever através do toque causa um novo jeito de usar os dedos e as mãos. A motricidade sofre modificações. Talvez, em função dessas modificações,  os cirurgiões sofram mais para manipular minúsculos bisturis. A manicure talvez tenha mais dificuldade em embelezar com desenhos tão pequenos as unhas das clientes. Mesmo assim, penso que isso seria superado através do Ensino da arte com seus pincéis e canetas coloridas. É provável que outras atividades substituíssem os movimentos precisos da caligrafia. Isso salvaria as pessoas de perderem habilidades motoras tão importantes.
Creio que o problema é ainda maior. Caso os teclados substituam a escrita cursiva, surgirá a questão da autoria. A letra digitada não é minha, é da máquina. Qualquer outra pessoa produzirá um “a” idêntico ao meu “a”. Ninguém será o artista criador das palavras grafadas à mão.  Todas as palavras escritas teriam a mesma aparência. Seriam palavras grafadas, mas sem autores, sem os artistas que “pintaram” aquela obra de arte irrepetível, que é a letra. A letra cursiva é a assinatura de quem escreve. Autor é aquele que é responsável pela obra, é a causa primeira e principal da obra. Nesse momento em que eu escrevo através do teclado do meu computador, sou o autor das idéias, mas não das letras que estão aparecendo no monitor. Elas são obra dos chips, nada tem a ver comigo. São letras prostituidas. São letras iguais para todos e todos as podem possuir.
Num mundo onde as pessoas cada vez mais criam menos, numa realidade onde muito mais as coisas são copiadas, retirar das pessoas o direito de serem autores de suas próprias letras é um crime contra a humanidade. Quero afirmar meu direito de ser o artista, o criador inimitável das minhas letras. Elas são minha obra de arte. Por favor, não deixem que acabe mais uma possibilidade de ser autor! Não copiem letras do teclado! Façam sua pequena revolução! Escrevam, escrevam muito e sem parar. Somos os senhores dos teclados não seus escravos.
Eu sou um artista, um desenhista muito especial. Eu desenho minhas letras como Michelangelo pintava suas obras primas.

Um comentário:

  1. Esta é sem dúvida uma questão preocupante pois estamos trocando o convencional pelo tecnológico e com isso passando por cima de coisas que são vitais para o ser humano. Foi assim com a máquina de escrever quando surgiu o PC está sendo assim com a internet cada vez mais substituindo os relacionamentos.A tecnologia é um grande bem para a humanidade porém precisa ser administrada em doses terapêuticas como um remédio.

    ResponderExcluir